Efeitos Fisiológicos do Frio - Crioterapia

Todo e qualquer uso de gelo ou aplicação de frio que resulta em remoção do calor corporal, diminuindo assim, a temperatura dos tecidos e utilizado para fins terapêuticos é denominado crioterapia.

Modos de Aplicação

A crioterapia pode ser aplicada de acordo com os seguintes métodos: bolsas de gelo; compressas de gelo; compressas de cubos de gelo artificial; compressas frias químicas; imersão em gelo; massagem com gelo; aparelhos de frio; sprays refrigerantes; bandagens com sprays refrigerantes.

Efeitos Fisiológicos

Efeitos Inflamatórios

A a crioterapia reduz o processo inflamatório agudo principalmente nos traumatismo agudo, sendo que a aplicação da crioterapia sobre a área lesada tem a ação antiinflamatória por diminuir o metabolismo além de se opor a vasodilatação inflamatória.

Efeitos Circulatórios

A crioterapia induz espasmos vasculares, que diminuem o calibre das arteriolas e aumentam a adesividade das células endoteliais diminuindo assim o fluxo sanguíneo adjacente e a permeabilidade vascular que fazem parte dos efeitos essenciais para instalação do processo inflamatório. A mudança da temperatura dos tecidos causa diminuição do metabolismo, das ações químicas das células e consequentemente da quantidade de oxigênio e de nutrientes. O decréscimo do fluxo através da lesão dos vasos limita o edema; há menor liberação de histamina e interrupção no processo de evolução da rotura do capilar, o que normalmente ocorreria após a lesão. Há melhor drenagem linfática devida menor pressão no líquido extravascular.

Redução de Edema

A permeabilidade vascular é significantemente reduzida com a aplicação de frio, desta forma limitando a migração leucocitária. Sem a efetiva ação leucocitária no tecido lesado, o processo digestivo de detritos celulares e de outros materiais é diminuído. Desta maneira ocorre a contenção do processo de liberação de proteínas livres, reduzindo assim os efeitos das mesmas sobre a pressão oncótica do tecido, modulando a formação de edema.

Diminuição do Metabolismo Tecidual

Um dos efeitos mais importantes do frio sobre o organismo é a diminuição metabólica tecidual, ocasionado pelo menor consumo de oxigênio por parte dos tecidos lesados. A crioterapia nesses casos visa diminuição metabólica, objetivando que os tecidos lesados que estão submetidos a irrigação sanguínea precária, possam diminuir seu gasto metabólico e possa sobreviver por mais tempo. A hipotermia reduz a necessidade de energia celular, assim o consumo de oxigênio pelo tecido, desta forma quanto mais baixa a temperatura tecidual, mais profunda será a depressão tecidual. A relação temperatura e captação de oxigênio é inversamente proporcional, sendo que quanto menor a temperatura tecidual, maior a captação de oxigênio pela célula.
O uso da crioterapia nas primeiras 24 a 48 horas após o trauma leva a uma diminuição no índice metabólico e consequentemente a uma diminuição da lesão hipóxica secundária. O CO² é um dos mais importantes metabólicos do organismo, com o uso da crioterapia, este sofrerá alterações que acarretarão na diminuição da sua concentração, levando a um aumento do tônus vascular e consequentemente a uma diminuição do seu diâmetro, ou seja, uma vasoconstrição.

Decréscimo da Dor e Espasmo Muscular

O resfriamento faz com que ocorra um aumento na duração do potencial de ação dos nervos sensoriais, e consequentemente um aumento do período refratário, acarretando uma diminuição na quantidade de fibras que irão despolizar no mesmo período de tempo. Conclui-se então, que, ocorre uma diminuição na frequência de transmissão do impulso e uma diminuição da sensibilidade dolorosa. A aplicação do gelo faz com que aumente o limiar de excitação das células nervosas em função do tempo de aplicação, ou seja, quanto maior o tempo, menor a transmissão dos impulsos relacionados à temperatura o que pode gerar analgesia ou diminuição da dor. Sendo assim, o frio age com afeito analgésico por atuar diretamente nas terminações nervosas, diminuindo a velocidade condutora das fibras nervosas e por estimulação competitiva nos mecanismos de comporta. A hipotermia nos músculos, reduz a velocidade de disparo das fibras nervosas do tipo Ia do fuso muscular favorecendo a redução espasmódica, que ocorre na relação de 1.86 m/s por grau Célcius.

Conclusão

Crioterapia = efeitos moduladores através da vasoconstrição, redução da hipóxia secundária, que ocorrem com indução de espasmos vasculares, que diminuem o calibre das arteriolas e aumentam a adesividade entre as células endoteliais, diminuindo o fluxo sanguíneo adjacente e a permeabilidade vascular.

Autores: Luciano Martins Fernandes e Alexandre F. Zaboti

5 Comentários:

veronica Pereira disse...

Por favor, poderia disponibilizar a referência deste texto? Obrigada.

veronica Pereira disse...

Olá! Por favor poderia disponibilizar a referência deste texto? Obrigada!

Adm. Blog disse...

Veronica,

É de um trabalho com os Autores: Luciano Martins Fernandes e Alexandre F. Zaboti

Adm. Blog disse...

Este é o lindo do trabalho

http://www.fisio-tb.unisul.br/Tccs/03a/luciano/artigolucianomartinsfernandes.pdf

Giovanna Santos disse...

Gostaria de saber qual a data desta publicação. grata

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu nome ou apelido, mesmo que fictício. Comentários anônimos não serão respondidos.

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IX - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO