COLABORE COM O BLOG...COLABORE COM O BLOG...COLABORE COM O BLOG...COLABORE COM O BLOG

Reflexo Miotático

O reflexo motor mais simples que se conhece é o reflexo miotático que, como vimos, origina-se nos receptores ânulo espirais dos fusos neuromusculares. Em resposta ao estiramento de um músculo, e consequentemente estiramento dos fusos neuromusculares presentes nesse músculo, fibras sensitivas do grupo Ia levarão à medula espinal (ao tronco cerebral, no caso de nervos cranianos) potenciais de ação sinalizando a ativação dos receptores ânulo espirais.
O prolongamento central dessas fibras sensitivas projeta-se monossinapticamente sobre motoneurônios responsáveis pela inervação do mesmo músculo de onde partiu o estímulo, e também sobre motoneurônios que inervam músculos agonistas. O resultado do reflexo é a contração do músculo previamente estirado, e de seus agonistas.

Clique para ampliar

Reflexo miotático. Uma extensão do braço (A) leva a um estiramento do bíceps, estirando o fuso neuromuscular. O neurônio sensorial, que se projeta monossinapticamente sobre o motoneurônio, é então ativado (B, linha grossa), ativando em seguida o motoneurônio (C, linha grossa).

Na mesma circuitaria espinal em que é integrado o reflexo miotático, no qual ocorre ativação dos motoneurônios responsáveis pela inervação do músculo estimulado (estirado), há inibição de motoneurônios que inervam músculos antagonistas ao músculo estimulado (inervação recíproca). Essa inibição não é realizada monossinapticamente, mas por intermédio de interneurônios inibitórios presentes em circuitos da substância cinzenta medular. Cada fibra aferente Ia faz conexões excitatórias com virtualmente todos os motoneurônios que inervam o músculo estimulado, e com até 60% dos motoneurônios responsáveis pela inervação dos músculos agonistas.
O princípio de inervação recíproca não é observado apenas no reflexo miotático, mas também em movimentos voluntários, em que o mesmo conjunto de interneurônios inibitórios é utilizado para realizar a inibição dos motoneurônios, que inervam um dado grupo muscular, quando motoneurônios que inervam um grupo muscular antagonista são recrutados. A inervação recíproca contribui assim para aumentar a velocidade e eficiência de uma contração, já que a ativação de um dado grupo de músculos ocorre sem a oposição de uma contração antagônica ao movimento desejado. Assim, neurônios corticospinais originários do córtex motor projetam-se tanto sobre os motoneurônios que inervam um dado músculo quanto sobre interneurônios (inibitórios) que inibem motoneurônios de músculos antagonistas.
Esse processo de inibição recíproca, embora eficiente do ponto de vista energético, não se constitui, porém, em uma boa estratégia quando o objetivo é o posicionamento firme e estável de uma articulação. Nesse caso, a estratégia adequada é a contração simultânea de músculos agonistas e antagonistas, processo então chamado de co-contração. Embora mais dispendiosa quanto ao gasto energético, a co-contração permite a adoção de posturas estáveis, cuja importância já foi mencionada anteriormente, nos exemplos envolvendo a firmeza motora necessária a um ato cirúrgico ou a imobilidade requerida para se fotografar uma cena qualquer.

Clique para ampliar

Inervação recíproca. No reflexo miotático, como em vários outros processos de integração motora, após a ativação (linha grossa) do neurônio sensorial (A), observamos, em (B), tanto uma ativação do motoneurônio responsável pela inervação do músculo estimulado (linha grossa) quanto uma inibição (linha interrompida) de músculos antagonistas (B). Essa inibição é executada por interneurônios que integram circuitos neurais medulares.

Autor: Marcus Vinícius C. Baldo

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu nome ou apelido, mesmo que fictício. Comentários anônimos não serão respondidos.

Postagens populares

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IV - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO