Nutrição para DPOC


Os pulmões são a conexão existente entre o ar que respiramos e o nosso sangue, proporcionando a transferência do oxigênio para dentro do sangue e o gás carbônico para fora do sangue, ou seja, para fora de nosso organismo.

Esse mecanismo aparentemente simples é extremamente sensível, exigindo diversos cuidados e precauções. Um fator que é extremamente importante, mas que muitas vezes não é lembrado pela maioria das pessoas que possuem problemas no pulmão, é o cuidado com a NUTRIÇÃO.

Para ressaltar esse tema NUTRIÇÃO diversos pontos importantes, serão mostrados e explicados para que possa ser bem compreendido e passe a ser mais considerado.

Em pessoas com doenças no pulmão o gasto de energia é maior por que e quais são suas conseqüências?

Doenças respiratórias aumentam drasticamente a taxa de metabolismo do corpo e tem múltiplas conseqüências na saúde da pessoa acometida. A necessidade calórica normal é de 50-70 kcal/d, porém, em doenças respiratórias esse valor pode elevar-se a 700kcal/d, pelo simples excesso de trabalho para continuar respirando.

Quando a alimentação não é suficiente, os resultados podem ser drásticos como:

a) Perda de peso pela dificuldade crônica em respirar (dispnéia);
b) Diminuição da força dos músculos respiratórios;
c) Diminuição da resistência a infecções;
d) Diminuição da resposta de defesa dos pulmões a baixos níveis de oxigênio.

Qual a importância do peso corporal?

Peso elevado:

a) está associado com bronquites crônicas;
b) edema em regiões distais como inchaço nas pernas e pés;
c) pele com tonalidade pobre, resultante de parte do oxigênio sendo distribuído para os tecidos do corpo.

Manter o peso elevado aumenta o trabalho de seu coração e pulmões para fornecer oxigênio para todas as áreas do corpo. Além do mais, excesso de gordura na área abdominal deprime o diafragma, tornando difícil a expansão do pulmão. A perda de peso proporcionará o aumento da massa muscular. Isso facilita a respiração e a pessoa se sentirá mais saudável e com mais energia.

Baixo peso:

a) enfisema;
b) propício a perda de peso;
c) comum falta de apetite;
d) perda muscular aparente.

A perda de peso é uma conseqüência de uma combinação do aumento na necessidade de caloria e uma dieta inadequada. Como resultado de uma nutrição pobre, os músculos do corpo, incluindo os respiratórios tornam-se prejudicados, tornando a respiração mais difícil. O aumento no trabalho para respirar cria uma necessidade de caloria o qual a pessoa talvez não consiga adquirir. Dessa forma, cria-se um ciclo de perda de peso e musculatura, que será perpetuado até que seja interrompido.

O sistema imunológico também corre risco com a má nutrição

A dieta deficiente em calorias, proteínas, vitaminas e minerais tem um efeito negativo na função imunológica, afinal, as células que nos protegem são feitas de proteínas. Dietas pobres dificultam a produção de fatores imunológicos pelo corpo, para enfrentar as infecções e reparar lesões em tecidos. Esse cenário é comum entre pessoas que tem DPOC, que passam a correr o risco de desenvolver infecções respiratórias.

Dicas de uma boa dieta para pessoas com dpoc

1. Comer frutas e vegetais, produzidos no dia, cereal e grãos e proteínas.

2. Limitar o consumo de sal. O excesso de sódio pode causar a retenção de água, que pode interferir na respiração.

3. Limitar também o consumo de bebidas que contenha cafeína. Ela pode interferir na ação de alguns medicamentos, podendo deixá-lo nervoso.

4. Evitar comidas que produzem gases ou que te faça sentir estufada. A eliminação desses alimentos se dá por tentativa e erro.

5. Tentar comer a maior refeição logo de manhã, pois dessa forma você terá energia para realizar as tarefas durante o dia.

6. Escolher comidas que são fáceis de serem preparadas. Assim, você não gastará toda a sua energia preparando a refeição. Tente descansar antes de comer assim você poderá aproveitar mais a sua refeição.

7. Evitar qualquer comida que contenha muito pouco ou não contenha valor nutricional.

8. Tentar comer seis pequenas refeições por dia, ao invés de três grandes refeições. Isso não lhe causará desconforto estomacal nem lhe deixará ofegante. Muita comida de uma só vez distende o estômago e envolve o diafragma.

9. Se você está usando oxigênio, certifique-se de estar usando a cânula durante a refeição - e após a refeição também. Comer e digerir requer energia, o que faz seu corpo consumir mais oxigênio.

10. Tentar comer em uma atmosfera tranqüila, e fazer de suas refeições algo interessante e agradável.

11. Consultar seu médico e nutricionista se você tiver outra restrição na dieta, como úlcera ou obesidade e anorexia.

12. Evitar deitar-se após as refeições.

13. Beber pelo menos 8 copos de líquidos sem cafeína diariamente, afinal, dois terços de nosso sangue é composto de água. Esse líquido fluidificará o muco, tornando-o mais fino e mantém seu corpo hidratado.

* American Association for Respiratory Care.

Fique atento a essas substâncias

PROTEÍNAS: Importantes para a reparação e produção das células. A quantidade que você necessita depende em seu nível nutricional e deve ser determinado pelo seu nutricionista. A proteína compõe os músculos e tecidos do corpo. Pessoas com DOPC precisam comer fontes de proteínas pelo menos 2 vezes ao dia, para ajudar a manter a força da musculatura respiratória. As principais fontes são o leite, ovos, queijo, carne, peixe, aves e legumes.

CÁLCIO: Especialmente importante para mulheres e para indivíduos que tem o esteróide como medicamento. O cálcio constrói os ossos e ajudam a regular a pressão sanguínea.

CALORIAS ADEQUADAS: é de extrema importância, por mais que seu objetivo seja perder peso.

POTÁSSIO: Importante para o controle da pressão sanguínea, contração da musculatura e a transmissão do impulso nervoso. Alguns medicamentos diuréticos tendem a cancelar seus efeitos. São achados em frutas, vegetais, derivados do leite e carne.

CAFEÍNA: A cafeína faz com que seu corpo perca água e aumenta o efeito diurético dos medicamentos.

CARBOIDRATOS: Essas substâncias (açucares) são as que causam maior produção de gás carbônico. São encontrados em doces assim como em pães e massas.

GORDURA: É uma importante fonte de energia. Ela produz a menor quantidade de gás carbônico quando metabolizado. Uma maior quantidade de gordura poderá ser ingerido caso o ganho de peso seja importante.

SÓDIO: O seu excesso pode causar edema (inchaço), que pode aumentar a pressão arterial.

Relação entre exercício e nutrição

Talvez você já tenha ouvido falar de que o excesso de exercícios físicos provoca envelhecimento precoce. E isso é uma verdade. Isso se deve à produção excessiva dos chamados Radicais livres, que são moléculas que contém um elétron não pareado em sua órbita. Exercício físico, estresse, alimentação incorreta e fumo são os maiores causadores dessa produção excessiva. O aumento de radicais livres durante o exercício pode ocorrer pelo aumento no nível de catecolaminas, pela produção de ácido lático, aumento da auto-oxidação da hemoglobina, pela hipertermia e, principalmente, pelo aumento no consumo de oxigênio.

Para neutralizar os efeitos nocivos dos radicais livres no organismo torna-se necessária a ingestão adequada dos nutrientes antioxidantes como vitamina C, vitamina E, betacaroteno, zinco, selênio e manganês. Essa suplementação deve ser realizada por meio dos alimentos, pois, por exemplo, a suplementação sintética da vitamina C aumenta a oxidação do ácido ascórbico (vitamina C), não contribuindo para a defesa antioxidante.

Portanto, procure alimentar-se o mais corretamente possível, variando os alimentos e procurando ingerir de tudo um pouco. Lembre-se: quanto mais cores diferentes de alimentos estiverem em seu prato, mais saudável será esta sua refeição!

Lembrete: quando nos referimos ao exercício físico, estamos incluindo também os exercícios realizados em uma sessão de fisioterapia ou de reabilitação, como ocorre no ambulatório da faculdade. Parece estranho, mas para quem tem algum problema no pulmão, como um enfisema ou uma bronquite, por exemplo, uma simples caminhada torna-se um exercício e tanto. A alimentação correta é de extrema importância para que os exercícios a serem realizados, sejam corretamente aceitos pelo corpo e suportado pelo paciente, sem que haja maiores riscos de complicações.

Os anos 80 também testemunharam uma ênfase crescente dos potenciais papéis da nutrição na prevenção de doenças crônicas, manutenção da boa saúde e otimização da performance atlética. Infelizmente, todo este movimento também deu espaço para a perpetuação de mitos, desinformação e conselhos questionáveis. Algumas descobertas relativas aos efeitos de certos nutrientes sobre a saúde e performance têm sido deturpadas, mal interpretadas, e exageradas. Muitas vezes pessoas acreditam estar recebendo as informações necessárias para uma prática nutricional saudável, o que pode não ser verdade, caso não tenham a orientação de um profissional qualificado.

Nutrição é a soma total dos processos envolvidos no requerimento e utilização de alimentos, incluindo ingestão, digestão, absorção e metabolismo. O propósito primeiro da comida ingerida é prover uma variedade de nutrientes - substância específica encontrada nos alimentos que desempenha uma ou mais funções fisiológicas e bioquímicas no corpo. Existem seis classes de nutrientes: carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas, minerais e água. Estes nutrientes possuem três funções mais importantes. Primeiro, eles provêem energia para o metabolismo humano.

Segundo, nutrientes são usados para construir e reparar fibras corporais. Terceiro, são usados para ajudar a regular os processos metabólicos do corpo. Apesar das funções dos nutrientes serem importantes para o indivíduo sedentário, elas tornam-se mais importantes para o indivíduo ativo, que aumenta seu metabolismo durante o exercício.

A nutrição balanceada é aquela onde os nutrientes requeridos são ingeridos na quantidade ideal para a realização de suas funções, é um componente importante num programa total de saúde e forma a base para a performance física provendo o combustível para o trabalho biológico. Má nutrição representa uma nutrição não balanceada e pode existir como subnutrição ou supernutrição, que são, respectivamente: um indivíduo não recebe uma quantidade adequada, ou consome excessivamente um único ou vários nutrientes. Uma inadequada ingestão de certos nutrientes pode prejudicar a saúde e a performance atlética devido a um suprimento insuficiente de energia, a uma inabilidade de regular o metabolismo em um nível ideal, ou a uma diminuição na síntese de enzimas ou tecidos chaves no corpo. Por outro lado, a ingestão excessiva de alguns nutrientes pode também prejudicar ambos, a saúde e a performance, por interromper o processo fisiológico normal, ou levar a mudanças indesejáveis na composição corporal.

Dicas de refeição pré-exercício e pós-exercício

Para quem pratica atividade física, inclusive as realizadas em uma sessão de fisioterapia, uma boa refeição, antes de sua prática, é essencial para fornecer ao praticante, energia suficiente proveniente dos carboidratos e garantir uma hidratação ideal, para uma boa adaptação do corpo às atividades físicas.
Quem pratica atividade física não deve fazê-la sem antes se alimentar corretamente. Um jejum de 4 a 6 horas já pode ocasionar problemas durante a atividade como hipoglicemia (baixa taxa de glicose no sangue), fadiga precoce e outros.

CARBOIDRATOS: Antes do exercício, deve-se ofertar uma refeição (3 horas antes) ou um pequeno lanche (1 hora antes) contendo alimentos ricos em carboidratos (arroz, batata, macarrão, pão) devendo compor até 65% do total de calorias fornecida pela refeição, respeitando a duração da atividade. Logo após o término da atividade, o carboidrato também deve ser ingerido para que os estoques de glicogênio sejam rapidamente repostos, beneficiando a recuperação que passa a ser mais acelerada e que prepara o músculo para atividades subseqüentes.

PROTEÍNAS: A ingestão de proteínas deve manter a proporção máxima recomendada para os indivíduos saudáveis que é de 15% em relação ao valor calórico total da alimentação diária. Os alimentos protéicos (carnes, ovo, leite, iogurtes, queijos) não devem ser consumidos muito próximos ao início da atividade por terem uma digestão mais demorada e, com isso, provocarem desconforto estomacal durante o exercício. Logo após a atividade, também não é um bom momento, devido à prioridade do organismo em sintetizar glicogênio para repor os estoques de carboidratos gastos no esforço. Portanto, os alimentos protéicos devem ser consumidos distantes dos horários das atividades e de forma fracionada, ou seja, em várias refeições para que haja melhor aproveitamento dos aminoácidos pelo tecido muscular.

LIPÍDIOS: O consumo de lipídios não deve ultrapassar 20% do valor energético diário. A prática de atividade física com o objetivo de reduzir os depósitos de gordura corporal deve ser acompanhada de baixa ingestão de lipídios na dieta, para os resultados serem obtidos mais rapidamente. Da mesma forma que os alimentos protéicos, os alimentos ricos em gordura não devem ser consumidos próximos ao início dos exercícios.

ÁGUA: A hidratação adequada é importante para o bom desempenho físico. A ingestão de água em todas as etapas do exercício é suficiente para repor a perda hídrica em atividades leve e moderada (caminhada, musculação, ginástica).

Fonte: SOGAB

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu nome ou apelido, mesmo que fictício. Comentários anônimos não serão respondidos.

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IX - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO