Tosse ineficaz

A tosse pode deixar de cumprir suas funções em várias circunstâncias. A ineficácia da tosse ocorrerá quando os receptores periféricos e o controle central da musculatura respiratória ou o aparelho musculoesquelético efetor forem, de alguma maneira, afetados por anormalidades.

A fase nervosa está comprometida nos estados de coma que deprimem o sistema nervoso central e levam à inibição do centro bulhar; nas interrupções em nível de placa motora, como, por exemplo, na miastenia grave; na supressão voluntária do centro da tosse em estados dolorosos; e na utilização de certos fármacos e anestésicos que inibem os receptores.

A fase inspiratória pode estar alterada em situações debilitantes onde ocorre a redução da força muscular para insuflar os pulmões; tais situações podem ser: estados dolorosos, rigidez excessiva da caixa torácica, doenças neuromusculares e restritivas.

Paralisia das cordas vocais, traqueostomia e intubação endotraqueal impossibilitam o fechamento da glote, comprometendo a fase compressiva. Entretanto, mesmo nesses casos a vigorosa contração da musculatura expiratória pode garantir níveis de pressão intratorácica suficientes para promover a compressão dinâmica das vias aéreas. O comprometimento dos músculos expiratórios também afeta o desempenho dessa fase.

A fase explosiva pode estar alterada pela redução do fluxo aéreo, como ocorre nas doenças que cursam com limitação do mesmo. Nessas doenças a resistência de vias aéreas é alta, e a pressão intraluminar brônquica pode cair em forma de cascata.
O ponto de igual pressão é deslocado para a periferia, em rúvel de bronquíolos, os quais são facilmente colapsáveis. Essa fase também sofre influência das três fases anteriores da tosse. Portanto, qualquer comprometimento em uma delas pode ser responsável por alterações nessa fase.

Fases da tosse e fatores que comprometem as diferentes fases

Para que as secreções sejam eliminadas, o fluxo aéreo deve ser adequado. As diferenças regionais de volume pulmonar são intensas em pessoas com retração elástica diminuída. A redução da força elástica desloca o ponto de igual pressão para a periferia, prejudicando o aumento da velocidade do fluxo de ar necessário para que a tosse possa carrear o material a ser expelido.
Como consequência da insuficiência da tosse, podem ocorrer aspiração recorrente de conteúdo gástrico ou de secreções da cavidade oral e nasal para os pulmões, impactação mucóide, atelectasias e anormalidades que podem ser responsáveis por hipoxemia.

Fonte:  Bases da Fisioterapia Respiratória - Terapia Intensiva e Reabilitação - Maria da Glória Rodrigues Machado


Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu nome ou apelido, mesmo que fictício. Comentários anônimos não serão respondidos.

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IX - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO