Vagas fisioterapeutas concursos julho 2016



Prefeitura de Caldas Brandão – PB
Vagas: 02
Inscrições: 30 de junho até 29 de julho de 2016
Site banca organizadora: www.advise.net.br/

Prefeitura de Coruripe - AL
Vagas: 04
Inscrições: 15 de junho até 16 de julho de 2016
Site banca organizadora: master.listaeditais.com.br/

Prefeitura Municipal De São Francisco Do Conde – BA
Vagas: 02
Inscrições: 04 de julho até 11 de julho de 2016
Site banca organizadora: www.fapes.org.br/

Prefeitura de Itaberaba - BA
Vagas: 02
Inscrições: 13 a 30 de junho de 2016
Site banca organizadora: concursos.solucaogov.com.br/

Prefeitura de Santa Rita de Jacutinga - MG
Vagas: 01
Inscrições: 15 de agosto até 16 de setembro de 2016
Site banca organizadora: www.ethosconcursos.com.br/

Prefeitura de Boa Esperança - MG
Vagas: 02
Inscrições: 15 de agosto até 16 de setembro de 2016
Site banca organizadora: www.rboconcursos.com.br/

Prefeitura de Engenheiro Caldas - MG
Vagas: 01
Inscrições: 15 de agosto até 14 de setembro de 2016
Site banca organizadora: www.exameconsultores.com.br/

Prefeitura de Tesouro - MT
Vagas: 01
Inscrições: 20 de junho até 29 de julho de 2016
Site banca organizadora: www.pmtesouro.com.br/novo_site/



Efeitos pulmonares da PEEP



Três mecanismos têm sido postulados para explicar a melhora da função pulmonar e da troca gasosa com a terapia com PEEP: 
(a) alteração de fechamento das pequenas vias aéreas nas áreas pulmonares dependentes da gravidade; 
(b) diminuição da água pulmonar extravascular e 
(c) aumento da capacidade residual funcional (CRF).

Embora tenha sido demonstrado que o volume pulmonar em que o fechamento das pequenas vias aéreas ocorre frequentemente aumenta acima da CRF no homem anestesiado, o efeito da PEEP na oxigenação arterial, quando correlacionado com o índice volume de fechamento/CRF, não é bem documentado e é frequentemente conflitante. Embora estudos posteriores possam vir a confirmar uma inter-relação benéfica entre PEEP e volumes pulmonares nos quais ocorre o fechamento das vias aéreas, os dados atuais são inconclusivos.

Os efeitos diretos da PEEP sobre a água extravascular pulmonar são difíceis de se avaliar, em virtude de fatores complexos controlarem a distribuição da água pulmonar. Entretanto, existe evidência suficiente de que a água pulmonar extravascular é derivada tanto dos vasos justalveolares, quanto dos extra-alveolares, e que o fluxo de fluido varia com o grau de insuflação alveolar, com a pressão arterial pulmonar e com a pressão pleural. Um grande número de evidências sugere que a PEEP tanto pode aumentar significativamente a água intersticial, quanto não ter qualquer efeito sobre ela.

É bem documentado que a PEEP aumenta a CRF, que parece ser o mecanismo principal pelo qual a função pulmonar e a troca gasosa são melhoradas. No entanto, há controvérsias sobre se a extensão da melhora da CRF é conseguida por aumento do volume alveolar ou por recrutamento alveolar.

Daly e associados utilizaram fotomicrografia com luz incidente para estudar as características alveolares de ratos normais em vários níveis de PEEP. Eles demonstraram que: 
(a) o diâmetro alveolar aumentou linearmente de 0 a 10 cmH2O; 
(b) o diâmetro no final da expiração aumentou em uma proporção maior do que durante a inspiração; 
(c) acima de 10 cmH2O de PEEP, o aumento do diâmetro alveolar diminuiu progressivamente e alcançou um platô em aproximadamente 15 cmH2O de PEEP; e 
(d) além dos 15 cmH2O de PEEP, a pressão alveolar aumentou sem uma elevação mensurável no diâmetro alveolar. Esses dados sugerem que existe um limite superior de distensibilidade dos alvéolos normais e que, dentro desses limites, a PEEP aumenta a CRF simplesmente por aumentar o tamanho alveolar.

“Recrutamento alveolar’’ é um termo comumente usado para referir-se a um aumento na CRF secundário à insuflação de alvéolos previamente colapsados. Evidência indireta de que a PEEP possa recrutar os alvéolos foi primeiramente apresentada em 1969 por McIntyre e associados, que demonstraram que tanto a oxigenação arterial como a complacência pulmonar melhoraram rapidamente quando a PEEP foi aplicada a modelos de pulmão com atividade diminuída do surfactante. Estudos recentes reafirmam esse fenômeno que ocorre dentro de minutos da aplicação da terapia com PEEP. Aumentos induzidos pela PEEP no volume gasoso intratorácico melhoram a relação VA/Q e a complacência pulmonar nas partes subjacentes dos pulmões.

Fonte: Roy D. Cane, MBBCh, FFA (SA), William T. Peruzzi, MD

Pressão positiva expiratória EPAP



Conceito e utilização

A técnica da pressão positiva expiratória consiste em produzir uma pressão positiva no final da expiração (PEEP) em pacientes sob respiração espontânea. No entanto, para a técnica ser realizada, é necessária uma máscara facial com uma válvula unidirecional onde é acoplado um resistor gerador de PEEP que pode ser regulado para oferecer de 5 a 20 cmH²O. O mais utilizado é o resistor de limiar pressórico, sendo o mais prático e mais comum o resistor tipo spring loaded, que consiste em um diafragma disposto no orifício expiratório que impõe uma resistência ao fluxo expiratório por um sistema de molas.


Sistema EPAP (RHDSON Vital Signsâ, New Jersey, EUA).

A aplicação da pressão positiva na expiração em respiração espontânea foi primeiramente descrita por Wilson et al. em 1981 na asma induzida pelo exercício. Esses autores utilizaram resistência expiratória de 10 cmH²O em duas condições diferentes: durante 6 minutos de exercício e 20 minutos após o término dos mesmos. Os resultados foram comparados com a situação controle, ou seja, respiração normal sem resistência expiratória. Esse estudo demonstrou que a resistência expiratória durante ou após o exercício aumentou significativamente o PFE (pico de fluxo expiratório), o VEF1 (volume expiratório forçado no 1o segundo) e o fluxo expiratório máximo quando comparados com a situação controle.

A partir de 1984 essa modalidade de tratamento tornou-se difundida, quando Falk et al. (1984) utilizaram esse recurso no tratamento de pacientes portadores de mucoviscidose. Estes autores denominaram esta modalidade de tratamento de PEPmask (positive expiratory pressure) conhecida também como EPAP.

Mais tarde, a influência da PEP aplicada durante a inalação de B2-agonista no tratamento da bronquite crônica foi investigada por Christensen et al. (1991) utilizando PEP independente e em combinação com B2-agonista e depois comparados com a inalação de B2-agonista isoladamente. As três formas de tratamento melhoraram significativamente o PFE, mas a maior broncodilatação ocorreu com a PEP combinada com o B2-agonista. Esses resultados indicam que a PEP independente dilata as vias aéreas através da pressão aumentada nessas vias.

A PEP terapia (Pressão Expiratória Positiva) recebeu uma atenção especial nos últimos dez anos, especialmente no tratamento de pacientes com fibrose cística. De acordo com McCool et al. (2006), a recomendação para a utilização desta terapia apresenta-se com grau de evidência B, com benefício na remoção de secreções pulmonares.

Pacientes com limitação ao fluxo aéreo apresentam maior predisposição para o colapso das vias aéreas e, durante a utilização da PEP, gradientes de pressão movem-se das regiões periféricas para as mais centrais (MYERS, 2007; LAUBE et al.,2005). Dessa forma, acredita-se que a distribuição da ventilação, e a consequente distribuição das partículas inaladas, seja melhorada (ELKINS et al., 2006).

A maioria dos estudos clínicos da terapia com EPAP envolvem pacientes com fibrose cística (FITZGERALD et al., 2005; DARBEE et al., 2004; PLEBANI et al., 1997). Entretanto, atualmente a sua utilização dessa terapia na DPOC (SU et al., 2007), em pacientes com HIV (RICKSTEN et al., 1986) e na prevenção da atelectasia no pós-operatório de cirurgia cardíaca (WESTERDAHL et al., 2005) e cirurgia abdominal alta (RICKSTEN et al., 1986) também está sendo investigada.

McIlwaine et al. (2001) estudaram os efeitos a longo prazo (1 ano) da utilização da PEP comparados ao flutter sobre a função pulmonar de 40 crianças com fibrose cística. Os autores demonstraram que os pacientes alocados no grupo PEP apresentaram melhora na função pulmonar, diminuição de internações hospitalares e menor utilização de antibióticos.

Em 2007, Haeffner et al. realizaram o primeiro ensaio clínico que avaliou de forma isolada o benefício do uso acoplado de um inspirômetro de incentivo (II) com EPAP em 34 pacientes que foram submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM). Os pesquisadores avaliaram a função pulmonar, a força muscular respiratória e a capacidade funcional em dois momentos: alta hospitalar e 30 dias após o evento cirúrgico. Esse estudo demonstrou que a realização do protocolo (II+EPAP) minimizou as perdas da função pulmonar, melhorou a capacidade funcional e diminuiu a incidência de complicações pulmonares no pós-operatório o que proporcionou uma melhor e mais eficiente recuperação desses pacientes.

A redução na incidência de atelectasias também foi demonstrada através do estudo de Westerdahl et al. (2005). Esses autores objetivaram avaliar a eficácia de exercícios de inspiração profunda, através da PEP por meio de selo d’água, na prevenção de complicações pulmonares no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Foi demonstrado que, no quarto dia do pós-operatório, o grupo intervenção apresentou uma melhora da função pulmonar e menores áreas de atelectasias quando comparado ao grupo controle (p < 0,05).

Su et al. (2007) avaliaram, após 4 semanas de tratamento, os efeitos da aplicação da PEP associada a técnicas de expiração forçada (TEF) na função pulmonar, a tolerância ao exercício e a dificuldade de expectoração em 32 pacientes com DPOC. Os autores também investigaram a relação entre função pulmonar e oxigenação durante o exercício após a intervenção. Os pesquisadores observaram que a aplicação da PEP associada à TEF foi mais efetiva do que somente TEF no aumento dos valores de DLCO, na distância percorrida no teste de caminhada de 6 minutos e na redução na dificuldade de expectoração.

Estudos recentes têm demonstrado a eficácia da utilização da EPAP nasal como opção terapêutica no tratamento da SAOS, como Walsh et al. (2011) que avaliaram a tolerância e a adesão à EPAP a curto prazo em uma amostra de 47 pacientes com SAOS, que apresentavam recusa ou dificuldade de adaptação ao tratamento com CPAP. Os autores constataram alto grau de adesão à EPAP nasal e melhorias nos padrões das variáveis analisadas através da polissonografia. Resultados semelhantes foram verificados por Berry et al. (2011) em um estudo clínico randomizado, multicêntrico e duplo-cego com 250 pacientes portadores de SAOS (grau leve a grave), alocados em grupo intervenção (EPAP nasal) e grupo controle. Os autores concluíram que o EPAP nasal reduziu significativamente o índice de apneia-hipopneia (IAH) e a sonolência excessiva diurna com excelente aderência.

O recurso terapêutico EPAP é considerado um método de simples utilização e de baixo custo. Além da possibilidade de ser realizado sem supervisão direta (MCCOOL et al, 2006), pode-se elencar suas principais vantagens semelhantes à modalidade de ventilação não invasiva (VNI), denominada CPAP (Continuos Positive Airway Pressure): preservação da fala, da deglutição, da tosse e da lesão de cordas vocais. A presença de distensão gástrica e o vazamento devem ser avaliados assim como devem ser evitados ajustes desconfortáveis da máscara (DODDS et al., 1975).

Para o sucesso da técnica há a necessidade de indivíduos cooperativos. A distensão gástrica ocorre raramente (menos de 2%) em pacientes tratados com VNI com suporte pressórico menor que 25 cmH²O. Geralmente não há aerofagia quando são aplicadas pressões menores que 25 cmH²O, já que em indivíduos normais a pressão de repouso do esfíncter esofagiano superior é de 33 ± 12 cmH²O (DESPHANDE et al., 1988). Consequentemente, pressões na via aérea em torno de 25 cmH²O podem ser aplicadas com segurança.

Fatores limitantes ao uso da EPAP incluem: dificuldade do paciente de se adaptar à máscara facial ou nasal, instabilidade hemodinâmica, pressão intracraniana acima de 20 cmH2O, pneumotórax não drenado, lesões faciais, hemoptise, epistaxe, sinusite aguda, náuseas e vômitos (DESPHANDE et al., 1988).

Fonte: Albuquerque, Isabella Martins de Efeitos da pressão positiva expiratória sobre a permeabilidade pulmonar / Isabella Martins de Albuquerque.

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano VIII - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO