Avaliação do nervo facial



Função Principal

Composto de 2 partes. A parte motora é a mais importante e inerva a musculatura facial. A outra parte contém fibras sensitivas, responsáveis por parte da gustação da língua. As fibras autônomas são responsáveis pela estimulação das glândulas lacrimais, nasais e salivares.
Na hanseníase a lesão do nervo facial leva principalmente à diminuição da força muscular dos olhos, ressecamento nasal e ocular.



Avaliação do nervo facial

Teste de Força Muscular

Movimentos

Fechar os olhos sem força e com força.

Material

Régua.

Técnica

- Pedir ao paciente que feche os olhos (como se estivesse dormindo).
Observar se existe fenda palpebral utilizando um foco luminoso.
Se existir, medir a abertura (fenda) e registrar o achado em milímetros.

- Elevar a pálpebra superior usando o dedo mínimo sentindo a resistência.
Soltar e observar a velocidade do retorno à posição inicial.

- Pedir ao paciente para fechar os olhos com força.
Observar o pregueamento (rugas) comparando um lado com o outro.
Observar se existe fenda.
Se existir, medir a abertura (fenda) e registrar em milímetros.

Resultados

Observar se a resistência é forte, diminuída, ou ausente.
Observar se o fechamento da pálpebra é completo ou parcial (com fenda - lagoftalmo).




Observações e queixas principais 

Facial

Fenda / Abertura (lagoftalmo).
Hiperemia (olhos vermelhos).
Coceira, Ardor.
“Sensação de areia”.
Diminuição da acuidade visual.

Consequências da lesão neural

Paresia (diminuição da força muscular) ou Paralisia (perda da força muscular).

Cuidados a serem tomados

Auto inspeção diária.
Auto avaliação da acuidade visual.
Exercícios.
Proteção diurna e noturna.
Lubrificação diurna e noturna.

Fonte: Avaliação Neurológica Simplificada/Linda Faye Lehman, Maria Beatriz Penna Orsini, Priscila Leiko Fuzikawa, Ronise Costa Lima, Soraya Diniz

Complexo articular do ombro



O ombro não está constituído por uma articulação, mas por cinco articulações que conformam o COMPLEXO ARTICULAR DO OMBRO (fig. 1-17). Estas cinco articulações se classificam em dois grupos:


Primeiro grupo: duas articulações:

1) Articulação escápulo-umeral 

Articulação verdadeira do ponto de vista anatômico (contato de duas superfícies cartilaginosas de deslizamento) Esta articulação é a mais importante do grupo.

2) Articulação subdeltóide ou "segunda articulação do ombro"

Do ponto de vista estritamente anatômico não se trata de uma articulação; contudo podemos considerar do ponto de vista fisiológico, devida ser composta por duas superfícies que deslizam uma sobre a outra. A articulação subdeltóide está mecanicamente unida à articulação escápulo-umeral: qualquer movimento na articulação escápulo-umeral provoca um movimento na subdeltóide.

Segundo grupo: três articulações.

3) Articulação escápulo-torácica

Neste caso se trata outra vez de uma articulação fisiológica e não anatômica. É a articulação mais importante do grupo, contudo não pode atuar sem as outras duas, já que está mecanicamente unida a elas.

4) Articulação acrômio-clavicular

Articulação verdadeira, localizada na porção externa da clavícula.

5) Articulação esterno-costo-clavicular 

Articulação verdadeira, localizada na porção interna da clavícula.

Em geral, o complexo articular do ombro pode ser esquematizado da seguinte maneira:

Primeiro grupo:

- uma articulação verdadeira e principal: a articulação escápulo-umeral;
- uma articulação "falsa" e acessória: a articulação subdeltóide.

Segundo grupo:

- uma articulação "falsa" e principal; a articulação escápulo-torácica;
- duas articulações verdadeiras e acessórias: a acrômio-clavicular e a esterno-costo-clavicular.

Em cada um dos grupos, as articulações estão unidas mecanicamente, isto é, atuam necessariamente ao mesmo tempo. Na prática, os dois grupos também funcionam simultaneamente, segundo proporções variáveis no percurso dos movimentos.

De maneira que podemos afirmar que as cinco articulações do complexo articular do ombro funcionam simultaneamente e em proporções variáveis de um grupo ao outro.

Fonte: A. I. KAPANDJI

Fisiologia do Ombro



O ombro, articulação proximal do membro superior, é a mais móvel de todas as articulações do corpo humano.

Possui três graus de liberdade (fig. 1-2), o que permite orientar o membro superior em relação aos três planos do espaço, graças a três eixos principais:

1) Eixo transverso, incluído no plano frontal: 

Permite movimentos de fIexão-extensão realizados no plano sagital.

2) Eixo ântero-posterior, incluído no plano sagital: 

Permite os movimentos de abdução (o membro superior se afasta do plano de simetria do corpo), adução (o membro superior se aproxima ao plano de simetria) realizados no plano frontal.

3) Eixo vertical, determinado pela intersecção do plano sagital e do plano frontal: 

Corresponde à terceira dimensão do espaço; dirige os movimentos de fIexão e de extensão realizados no plano horizontal, o braço em abdução de 90°.

O eixo longitudinal do úmero (4) permite a rotação externa / interna do braço e do membro superior, de duas maneiras diferentes: 

- a rotação voluntária (também denominada "rotação adjunta') que utiliza o terceiro grau de liberdade e não é possível se, não for em articulações de três eixos (as enartroses). Deve-se à contração dos músculos rotadores; 

- a rotação automática (também denominada "rotação conjunta") que aparece sem nenhuma ação voluntária nas articulações de dois eixos, ou nas articulações de três eixos quando funcionam como articulações de dois eixos.


A posição de referência é definida como descrevemos a seguir: 

O membro superior pende ao longo do corpo, verticalmente, de maneira que o eixo longitudinal do úmero (4) coincide com o eixo vertical (3). Na posição de abdução a 90° o eixo longitudinal (4) coincide com o eixo transversal (1). Na posição de fIexão de 90°, coincide como o eixo ântero-posterior (2). 

Portanto, o ombro é uma articulação com três eixos principais e três graus de liberdade; o eixo longitudinal do úmero pode coincidir com um dos dois eixos ou se situar em qualquer posição intermédia para permitir o movimento de rotação externa / interna.

Fonte: A. I. KAPANDJI

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano VIII - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO