Desenvolvimento psicomotor de 6 meses a 1 ano

O Sexto Mês

- Decúbito dorsal:
- criança pode virar da posição dorsal para a ventral, virar-se para ambos os lados.
- pega os pés e no corpo para reconhecê-lo.
- pode estender os braços para frente e erguer a cabeça.
- pode realizar uma ponte com a extensão da coluna.
- tronco retificado no sentido da linha média.
- as pernas estão em abdução e rotação externa mas pode estender-se bem.
- boa abdução do quadril.
Preferência pelo decúbito dorsal.

- Decúbito Ventral:
- a cabeça eleva-se muito bem. Posição média de 90 graus.
- o tronco está estendido.
- o quadril apóia-se na base.
- apoio de antebraço, bom equilíbrio, permitindo estender, rodar o outro braço a fim de pegar um objeto.
- vira-se para o decúbito dorsal: já com movimento de rotação de tronco diminuindo as quedas.
- movimento natatórios: quando se perde o equilíbrio.

- Levantar-se para sentar:
- boa colaboração quando é estimulada a sentar.
- quer ficar em pé.
- quando sentada é difícil fazê-la ficar em posição dorsal.
- bom controle de cabeça.
- moderado controle de tronco
- extensão das pernas quando colocada de pé.

- Sentada:
- sentada pode tirar temporariamente as mãos do chão.
- criança joga-se para frente e para trás: brincadeira.
- sentada: perna em rotação externa e quadris abduzidos, articulação tibiotársicas móveis.
- fica com o dorso curvado e os joelhos fletidos.
- apoio para o lado ainda é insuficiente.

- Levantar-se:
- boa simetria da postura.
- suporta bem o peso
- ainda não se mantém em pé.
- presença de flexão no joelho.
- movimento de inclinação são respondidos.

Características:

Tônus muscular normal: ajustado para cada posição.
Flexão e extensão são possíveis.
Articulações tornam-se independentes.
Tensão região escapular cede: ajusta-se ao equilíbrio.
Reações posturais: boa colocação da cabeça, criança reequilibra-se quando vai cair.
Reações de equilíbrio: bom equilíbrio na posição: dorsal e ventral. Instabilidade (sentada), já descarrega o peso nos braços;
Boa reação de Landau.
Reflexos primitivos: já não são obtidos mais.
Motricidade Fina: criança Pode estender as mãos e agarrar objetos.
Preensão ainda é com toda a mão, passa-se objetos para a outra mão; começa pegar objetos com dedos em pinça.
Acompanha pessoas e objetos com os olhos, não há estrabismo.
Criança reage positivamente quando alguém se aproxima caso a mãe sorria.
Mês de importantes conquistas para a criança motoras e percepções (visuais, táteis), bom contato com o ambiente.

O Sétimo Mês

Não gosta e ficar em decúbito dorsal.
Criança se volta para os dois lados.
Estende os braços e ergue a cabeça: se alguém a pega ela ergue-se sozinha.
Não há predominância de padrão extensor ou flexor.
Cabeça bem levantada
Gira em torno de seu eixo.
Desloca seu peso e puxa as pernas (debaixo do abdômen) para se levantar.
Maior estabilidade.
Apóia os braços de lado para não cair: reação de proteção e equilíbrio.
Dorso ainda curvado, mas com possibilidade de extensão muito boa.
Pernas em abdução, quadris muito bem fletido.
Começa a engatinhar para trás quando quer pegar algum objeto à frente.
Posição quadrúpede ainda não é muito estável.
Encolhe bastante as pernas por debaixo do abdômen conseguindo progressos ao retirá-las.
Segurada pela axila, levantada a criança tenta equilibrar-se e oscila numa posição para cima e para baixo.
Quadril já bem estendido, simetria de atitude, boa colocação na cabeça no espaço. Movimentos compensatórios.
Boa colocação da cabeça no espaço.
Reações posturais do corpo sobre a cabeça e vice-versa são bem nítidas.
Tônus é normal e a motricidade estável
Nas mudanças de decúbito e deslocamento se estabelece o equilíbrio mediante a regulação e contra-regulação.

Características do 7º mês:
- Simetria: atitude simétrica, que é modificada intencionalmente, lentamente se desenvolve a mão dominante.
- Objetos menores e maiores são agarrados quase sempre com a palma da mão. Ainda não há preensão em garra. Pode pegar objetos com as duas mãos ao mesmo tempo, ou passar de uma mão para a outra.
- Começa a usar o seu dedo polegar para empurrar coisas para dentro da mão.
- A criança olha para o que está pegando ou brincando, mãos juntas na linha média do corpo.
- A criança diz as primeiras sílabas, imita sons, repete ruídos próprios.
- Contato social: diverte-se em reconhecer as pessoas. Vira-se para onde está o barulho.
- Presta atenção ao ouvir um ruído, vira-se para a fonte do mesmo. Distingue-se qualidades de som: agradáveis e desagradáveis.
- Já tem uma boa coordenação dos m. oculares. Boa coordenação mão-olho. Observa os objetos que tem na mão.
- Prossegue a estabilização e a socialização: a motricidade melhora da dá a oportunidade de investigar o ambiente.
- Quando deitado de bruços, rasteja para frente.
- Consegue suportar o próprio peso e ficar de pé segurando nos móveis.

O Bebê de 8 meses

Criança consegue virar para ambos os lados e para posição ventral.
Vira-se em eixo em torno do próprio corpo. Passa da posição de decúbito ventral para a posição de encaminhar.
Senta-se com o dorso reto e bom controle de tronco. Movimentos já demonstram boa coordenação.
Fica em pé segurando em algum objeto ou na mão de alguém.
Artelhos em garra porque não tem bom equilíbrio. Presença ainda do reflexo plantar.
Coloca-se em posição de engatinhamento, engatinha com rotação ainda deficiente.
Criança é capaz de mover-se para frente. Senta cada vez mais rápido e com maior controle.
- Fica em pé com alguém segurando.
- Caminha com passos titubeantes.
- Quando largada, senta-se e tenta ergue-se de novo.
- Tônus normal: adquirindo estabilidade na posição ereta.
- Boa mobilidade articular.

Reações posturais e de equilíbrio:
- Boa colocação da cabeça no espaço: criança sadia sempre busca um alinhamento do eixo corporal.
- Bom equilíbrio nas posições dorsal e ventral, criança começa a sentar-se.
- Reação de apoio e Landau aprimorados.

Características:
- A criança pode voltar de qualquer posição assimétrica à simetria, predileção por uma das mãos.
- Motricidade fina: pega dois objetos com uma mão, acompanha brinquedos que caem, brinca com as mãos, faz tchau, brinca de esconder.
- Fase de pegar e jogar objetos no chão até que a mãe canse.
- mãos abertas e dedos preparados para atividades mais finas.
- Apalpa objetos e aprende a reconhecer superfícies agradáveis e desagradáveis.
- Agarra objetos estreitos com polegar e o indicador.

Linguagem:
- A criança fala sílabas duplas: mamã, dadá....
- imita os sons próprios e dos outros: adora ficar contando coisas.

Audição:
- criança presta atenção aos ruídos e volta-se para ver onde estão. Demonstra desconforto a sons desagradáveis.

Visão:
- Boa coordenação da m. ocular: coordenação mãos-olhos.
Acompanha o movimentos em todos os planos.

O Nono Mês

Posição dorsal e ventral:
- criança não gosta destas posições.
- vira-se para a posição lateral.
- sequência: posição ventral, apoio sobre os quatro membros, volta-se de lado para adquirir a posição sentada

Posição sentada:
- criança senta-se com boa estabilidade
- movimento para frente e para o lado.
- demonstra boa rotação de tronco.
- presença de simetria.
- gosta muito desta posição.

Levantando-se:
- A criança levanta-se segurando em objetos e já fica em pé com bastante estabilidade.
- balanceio para cima e para baixo
- Dá os primeiros passos com apoio.
- Passa desta posição para engatinhar porque não se locomove com rapidez e oscilações de equilíbrio.
A criança sentada ou em pé, apóia sobre os quatro membros.
- Locomover-se com muita rapidez.
- Movimento prazeroso para a criança 
- Cuidados especiais.

Características:
- Tônus postural: boa estabilidade e regularização do tônus, articulações móveis e boa abdução do quadril.
- Reação postural: boa posição de cabeça no espaço, presença de contramovimentos para manutenção da postura e eixo corporal.
- Reação de equilíbrio: bom equilíbrio nas posições dorsal, ventral, e sentada. Apoia-se para frente e para o lado (ainda não consegue isso para trás).
- Simetria: em qualquer posição, manipula objetos com as duas mãos, preferindo uma delas.
- Motricidade fina: agarra e pode atirar os brinquedos, preensão em pinça (para pequenos objetos), bate as mãos, indica figuras com o dedo, tira coisas da cabeça (ex: boné).

- Preensão:
- agarra objetos em todas as posições,
- atinge objetos fora de seu alcance,
- dedos preparados para atividades mais finas,
- a criança  olha para as coisas que pega,
- brinca com as mãos, pés e corpo inteiro.
- demonstra reação de agrada ou desagrado.
- come biscoito com as mãos.

- Linguagem:
- diz sílabas duplas e emita os sons que ouve.
- Começa a sussurrar, adorar ficar contanto coisas.

Décimo Mês

Posição dorsal e ventral:
- controle total nestas posições, posição dorsal geralmente é rejeitada. A criança  vira-se para os dois lados, passa para a posição sentada e às vezes para a posição de 4 membros e pode engatinhar.

Sentar-se:
- a criança senta-se sozinha com bom equilíbrio.
- apoia-se para frente, lado e para trás.
- boa rotação.
- criança desliza para frente em redor do próprio eixo.

Ficando em pé:
- a criança ergue-se segurando -se em objetos
- pode ficar em pé sozinha.
- segurada por alguém tem boa estabilidade e anda ao longo dos objetos.
- às vezes a cr. se larga mas ainda não pode dar passos.
- da posição de pé passa para a posição de engatinhar.

Características:
- boa regulação tônica, tensão correspondente ao esforço.
- articulações independentes e adaptadas para a posição ereta e a marcha.
- boas reações posturais no espaço.
- só não há bom equilíbrio na posição em pé.
- alcança brinquedos mais longes, os pega e os joga (brincadeira).
- tira objetos de uma caixa.
- bebe da xícara e pega-a com as duas mãos.
- troca de objetos de uma mão para a outra.
- diz sílabas dobradas: mamã, papá.
- reage ao seu nome
- pega na colher para comer sozinha, mas tem que receber a comida na boca.
- come biscoitos.
- não há ainda controle de bexiga.

O bebê de 12 meses

Características motoras:
- Posições de decúbito dorsal e ventral, somente no sono.
- vira-se para amos os lados.
- Senta-se, primeiro de lado.
- Engatinha sobre os quatro membros.
- Senta-se sozinha.
- Bom equilíbrio, boa rotação, atitude simétrica.
- Ergue-se para ficar de pé ou faz isso sozinha.
- Pode dar pequenos passos para a frente.
- Andam ao longo dos móveis, já bem depressa.
- Engatinham com rapidez.
- Engatinha com rotação e equilíbrio.

- Engatinha rápido, senta, levanta-se: Fase que inspira cuidados.
- Algumas criança andam melhor, mas outras apresentam ainda bastante insegurança.
- desenvolvimento da marcha com domínio do espaço físico e simbólico.
- linguagem: diz três ou quatro palavras, aumentando assim a perspectiva do pensamento.
- entende frases curtas.


Desenvolvimento psicomotor de 0 a 6 meses

O desenvolvimento motor do Neonato.
 Reflexos primitivos. 
Desenvolvimento psicomotor de 0 a 6 meses.

Adaptações do neonato:


APGAR:

No primeiro e quinto minutos de vida o bebê é avaliado na escala APGAR, onde recebe notas com relação aos parâmetros de:pulsação do coração, respiração, cor da pele, movimentos, respostas a estímulos. Para cada parâmetro ele recebe de 0 a 2 pontos, variando a nota final de 0 a 10 e com o significado de que o bebê que ganha APGAR entre 7 e 10, é um bebê que nasceu em boas condições. Logo após o nascimento o bebê recebe uma pulseira de identificação, com o nome de sua mãe e o mesmo número que a identifica. Esta pulserinha só deverá ser retirada em casa.

Frequência cardíaca – a análise do ritmo e da intensidade dos batimentos determina se o coração está funcionando bem. não se registram os batimentos: 0 PONTOS ABAIXO DE 100 BATIMENTOS POR MINUTO: 1 PONTO ACIMA DE 100 BATIMENTOS POR MINUTO: 2 PONTOS Esforço respiratório – é medido pela observação dos movimentos – para cima e para baixo – do tórax.

Sem movimentos respiratórios: 0 pontos
Poucos movimentos e/ou irregulares: 1 ponto
Movimentos regulares e vigorosos: 2 pontos

Tônus muscular – através dos movimentos de pernas e braços, é possível avaliar a tonicidade da musculatura.
Flácido (atividade fraca ou nula): 0 pontos
Flexão de braços e pernas: 1 ponto
Muita atividade: 2 pontos

Irritabilidade reflexa – ao ser aspirado, para desobstruir suas vias respiratórias, ele faz caretas, e se irrita, quando o médico pressiona a sola do pezinho. nota máxima para ele; os reflexos estão ótimos.
Sem reação a estímulos: 0 pontos
 Faz careta: 1 ponto chora: 2 pontos

Cor da pele – permite verificar o nível de oxigenação. ideal é que a pele tenha tonalidade rosada. arroxeada ou pálida significa que algo não vai bem.
Cianótico (azul ou pálido): 0 pontos
 Corpo rosado e mãos e pés cianóticos (azulados): 1 ponto
Corado: 2 pontos

Cuidados com o bebê: Tudo está bem!!!
Crostas gordurosas: vernix caseoso.
Cabeça com formato alterado, devido a pressões sofridas durante a passagem pelo canal vaginal.
Pele enrugada.
Pálpebras inchadas.
Manchas azuladas ou esbranquiçadas.
Pêlos escuros e longos, na cabeça ou outra parte do corpo (caem na primeira semana).
Genitais de tamanho desproporcional. Ocorrem especialmente em bebês prematuros - normalização espontânea.
lcterícia — Em cerca de 50% dos bebês, a pele é ou se torna amarelada após o nascimento, devido à redução brusca do excesso de glóbulos vermelhos com que nascem. O fenômeno, chamado icterícia fisiológica.

Teste do pezinho
Fenilcetonúria: doença hereditária que pode levar ao atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, deficiência mental, comportamento agitado ou padrão autista, convulsão e odor característico na urina. Prevalência no brasil - 1 para 12.000 nascidos vivos.
Hipotireoidismo: doença hereditária que, se não tratada precocemente, compromete seriamente o crescimento e o desenvolvimento mental. Prevalência no brasil - 1 para 2.500 nascidos vivos.
Hemoglobinopatias: provocam alterações na hemoglobina. Exemplo: doença falciforme, que causa anemia, crise de dor, infartos teciduais, acidente vascular cerebral (avc) e aumento de infecções. Prevalência no brasil - 1 para 1.000 nascidos vivos
Fibrose cística: doença hereditária que afeta principalmente pulmões e pâncreas. Crianças com essa doença evoluem com muitas complicações pulmonares e freqüentes internações hospitalares. Prevalência no brasil - 1 para 2.000 nascidos vivos.

Teste da orelhinha
Exame do ouvido

O exame:
Emissão Otoacústicas para triagem de surdez congênita, propiciando reabilitação em tempo hábil.

Abordagem Conceitual das diferentes escolas para o desenvolvimento humano.




Há numerosos modelos de desenvolvimento, e cada um reflete o conhecimento, os interesses e as tendências de seu autor.
Nenhuma teoria é completa ou totalmente precisa ao descrever ou explicar o desenvolvimento humano, e, portanto, todas falham em algum ponto.
O desenvolvimento é a resultante de processos de:
- ADAPTAÇÃO
- MATURAÇÃO
- CRESCIMENTO
- APRENDIZAGEM

ADAPTAÇÃO
Resposta de um organismo para determinada variação das condições exógenas.
Reorganização das capacidades individuais a nível:
- orgânico
- comportamental
Segundo o tempo podem ser:
- crônicas
- agudas

MATURAÇÃO
Conjunto das transformações sucessivas verificadas em tecidos, órgãos ou sistemas, na direção de um estado Maturo.
É o resultado da manifestação de características individuais, através de um processo fisiológico, e sob os efeitos do tempo.
Características da Maturação:
- O aparecimento súbito de novos padrões de crescimento ou comportamento.
- O aparecimento de habilidades específicas sem o benefício de práticas anteriores.
- A consistência destes padrões em diferentes sujeitos da mesma espécie.
- A sequência ordenada das manifestações das diferenças padrões.
- O curso gradual de crescimento físico e biológico em direção à obtenção de status de completamente desenvolvido.

CRESCIMENTO
Modificação quantitativa das estruturas morfológicas. É o conjunto das transformações hipertróficas e hiperplásicas do organismo.
Ex: A apreensão do bebê será influenciada pelo tamanho de sua mão em relação ao tamanho e mobilidade do objeto.

APRENDIZAGEM
É um tipo particular de adaptação, consistindo numa alteração durável da resposta como consequência da prática. A aprendizagem requer condições básicas do organismo para que possa ocorrer.

Reflexos
Os reflexos são as primeiras formas de movimento e fornecem esclarecimentos interessantes sobre o DM.
Há evidências de que existe conexão entre comportamentos reflexos precoce e movimento voluntário posterior.
Os comportamentos reflexos infantis servem como fonte primária de compilação de informação no período neonatal.
O comportamento reflexo infantil pode ser usado como ferramenta de diagnóstico efetivo para a avaliação da integridade do SNC.

Reflexos orais e periorais
Deglutição, sucção (presentes no recém nascido, orientação da cabeça no sentido estimulado).
Reflexos dos olhos (pupilar e palpebral):
Reflexo de pestanejar, reflexo da não fixação, reflexo da rotação (depende da função vestibular), reflexo da pupila.

Reflexo de Moro (abraço)
Resposta global o um estímulo inesperado, reflexo vestibular, consiste na abdução e extensão dos braços, acompanhado de choro, mecanismo de alerta, deve desaparecer 3-4 meses. Permite observar a tonicidade da musculatura e a simetria da resposta.

Reflexo de preensão
Estimulação da palma da mão provocando flexão dos dedos, ficando a mão fechada. Constitui em um reflexo tônico dos flexores dos dedos.

Reflexo de endireitamento da cabeça e do tronco
A rotação da cabeça provoca uma rotação no mesmo sentido do tronco e vice-versa. É observável durante o primeiro ano de vida. É talvez importante para ações voluntárias como o rodar sobre si próprio.

Reflexo tônico assimétrico do pescoço
Ao rodar a cabeça para um lado, a extensão dos músculos do pescoço origina a flexão do braço e por vezes do joelho contrário. È frequentemente observado em repouso e desaparece ao fim do 2º-3º mês. É considerado um reflexo postural e assimétrico.

Reflexos labirínticos de endireitamento
Manifestam-se na tendência para manter a posição da cabeça na vertical quando a criança é deitada para trás ou face a perturbações posturais. É visível a partir do 2º mês.

Reflexo natatório
É observável quando o bebê é colocado em contacto com a água total ou parcialmente. Consiste em movimentos segmentares alternados com acentuado caráter rítmico. segunda semana de vida e são registrados até cerca do 5º mês.

Reflexo de marcha
Quando a criança é suportada numa posição vertical e mantém contacto dos pés com uma superfície podem surgir movimentos alternados dos membros inferiores, com uma morfologia geral semelhante à marcha. É visível a partir da 2ª semana de vida e normalmente desaparece ao 2º mês.

Reflexo de pára-quedas
Aparece entre os 6 e os 9 meses e consiste numa extensão protetora dos braços quando o bebê, em suspensão ventral, é baixado rapidamente.

Reflexo de Babinski
O estímulo é uma pancada firme no bordo interno do pé, de trás para a frente, e a resposta é uma flexão ou extensão do dedo grande do pé ou de todos os dedos. É um reflexo que persiste pela vida fora ainda que a área sensível do pé seja progressivamente reduzida.

Reflexo de Babkin
Quando as palmas das duas mãos são fortemente pressionadas surge uma resposta composta por flexão da cabeça, abertura da boca e fecho dos olhos. Pode ser observado no recém-nascido e normalmente desaparece por volta do 4º mês.

Reflexo de fuga
Quando a planta do pé é estimulada com um objeto agudo a perna correspondente flete, afastando o pé do motivo de dor.

Reflexos de suporte
Observáveis nas pernas e nos braços pelo contato com uma superfície rígida, provocando uma extensão dos membros. O reflexo de suporte das pernas pode ser observado alguns meses antes do de suporte dos braços.

Reflexo de Landau
O bebê na suspensão ventral evidencia uma extensão da cabeça, na coluna e nas pernas. Trata-se de uma associação do reflexo tônico labiríntico de retificação com certos reflexos cervicais.

Reflexo palmomental
Abertura da boca por estimulação da palma da mão.
Reflexo da passagem do obstáculo:
Provocado pela estimulação dorsal do pé com flexão da perna.
Desenvolvimento postural:
Obedecendo a Lei céfalo-caudal:
Aparecimento dos músculos:
1) m. da cabeça
2) m. do tronco
3) m. dos braços
4) m. das pernas
5) m. das mãos
6) m. dos pés
7) m. dos dedos
8) m. do tornozelo

No desenvolvimento postural devemos estudar sucessivamente:
A manutenção da cabeça
A posição de sentado
A posição ereta
A marcha

A manutenção da cabeça:
- A criança só mantém a cabeça aos 3 meses.
- Aspectos do desenvolvimento:
– tronco na vertical: cabeça realiza ligeira inclinação anterior
– decúbito dorsal: colocação da cabeça no plano sagital
– decúbito ventral: ligeira hiperextensão.

Em posição ventral:
- levantar a cabeça de tempos em tempos (1 mês) - ter a cabeça alinhada em um curto momento (2 mês) - manter a cabeça bem direita (3meses).

Em decúbito ventral:
- elevar a cabeça e vacilá-la (1 mês)
- elevar a cabeça e os ombros (2 meses)
- apoiar-se nos antebraços (3 meses)

Em decúbito dorsal:
- retenção da cabeça quando se senta, por tração dos antebraços (2 meses)
- elevação da cabeça e dos ombros quando se exerce ligeira tração nos antebraços (4 meses).

Posição de Sentado:
Posição cifótica das costas do bebê torna impossível a posição de sentado.
A partir dos 4 meses há um endireitamento, desde a parte superior até a inferior.
O equilíbrio é precário: cr. cai lateralmente com frequência.

A partir dos 8 meses a criança liberta sua mão:
- apanha objetos
- vira de um lado para outro sem perder o equilíbrio.
- consegue sentar sozinha sem ajuda.
Senta-se por longos períodos com apoio (5 meses)
Senta-se por longos períodos com um ligeiro apoio (6 meses)
Senta-se sem apoio por curtos momentos (7meses)
Eleva-se da posição de deitado à posição de sentado (8 meses)

Posição ereta:
Aos 8 meses aquisição da posição bípede.
Aos 9 meses a cr. mantém de pé com apoio.
Aos 10 meses é capaz de se por de pé sozinha.




Desenvolvimento psicomotor pré-natal

Desenvolvimento motor - Fase pré-natal

As grandes conquistas da espécie humana:
- Postura bípede (macromotricidade)
- Praxia e Visão binocular (micromotricidade)
- Linguagem Falada (oromotricidade)
- Linguagem Escrita (grafomotricidade)
- Cultura Social Complexa (sociomotricidade)

Principais adaptações Hominídeas:

-1) desenvolvimento das extremidades como órgãos de preensão e de exploração.
-2) modificação estruturais na dentição e alterações na dieta.
-3) complexidade na integração e associação interneuroniossensorial.
-4) postura bípede e mudanças no esqueleto pós-craniano
-5) evolução cultural e desenvolvimento do cérebro como órgão de comunicação e de aprendizagem.

Linha do tempo = Concepção = Fecundação = Mórula =  Nidação =  Gestação do Zigoto = Embrião =  Feto = Recém nascido

Desenvolvimento Neural



Desenvolvimento motor

Fase pré-natal: PERÍODO PRÉ-EMBRIONÁRIO

Período: da concepção ao 1º mês
- Gametogênese - Fecundação
- Fim do 1º mês:
- Camada externa – ectoderme: formará a pele, os pelos, as glandulas sebáceas e sudoríparas, o SNP, o SNC, o esmalte dentário, a retina, a córnea, o cristalino, n.ótico, a hipófise.

- Camada intermediária –mesoderme: formará os músculos, ossos, coluna vertebral, veias, artérias, órgãos genitais, tecido conjuntivo, cortéx supra-renal, miocárdio, gânglios linfático, baço, sangue.

- Camada interna – endoderme: formará o epitélio do tubo digetivo (exceto boca, ânus, epitélio respiratório, trompas de falópio, bexiga, tireóide, timo.

Folhetos Embrionários



Desenvolvimento comportamental inicial

- As primeiras duas semanas da vida pré-natal: período germinal.
- 3ª a 6ª semana: período embrionário.
- Formação do sulco medular, primeiros batimentos do coração primitivo. Desenvolvimento das vesículas cerebral e ótica, desenvolvimento da musculatura lisa.
- 6ª ou 7ª semana: braços, pernas, e todos os órgãos se essenciais estão formados. Células ósseas se formam nos ossos longos ( 8 semanas)
- 8 semanas até o fim da gestação: organismo em desenvolvimento é chamado de feto.

Desenvolvimento motor - Fase pré-natal



O período pré-natal e a primeira infância preparam o palco para o que está por vir no desenvolvimento do repertório de movimentos e habilidades físicas fundamentais.


Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IX - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO