Índice da marcha dinâmica (Dynamic Gait Index)

Objetivo: avaliar o equilíbrio durante a marcha em diferentes contextos de tarefas funcionais.
É constituído de oito tarefas funcionais que inclui superfície plana, mudanças na velocidade da marcha, movimentos horizontais e verticais da cabeça, passar por cima e contornar obstáculos, giro sobre seu próprio eixo corporal, subir e descer escadas.

1- Marcha em superfície plana

Instruções: Ande em sua velocidade normal, daqui até a próxima marca (6 metros).

Classificação: Marque a menor categoria que se aplica

(3) Normal: Anda 6 metros, sem dispositivos de auxílio, em boa velocidade, sem evidência de desequilíbrio, marcha em padrão normal.
(2) Comprometimento leve: Anda 6 metros, velocidade lenta, marcha com mínimos desvios, ou utiliza dispositivos de auxílio à marcha.
(1) Comprometimento moderado: Anda 6 metros, velocidade lenta, marcha em padrão anormal, evidência de desequilíbrio.
(0) Comprometimento grave: Não conseguem andar 6 metros sem auxílio, grandes desvios da marcha ou desequilíbrio.

2. Mudança de velocidade da marcha

Instruções: Comece andando no seu passo normal (1,5 metros), quando eu falar “rápido”, ande o mais rápido que você puder (1,5 metros). Quando eu falar “devagar”, ande o mais devagar que você puder (1,5 metros).

Classificação: Marque a menor categoria que se aplica

(3) Normal: É capaz de alterar a velocidade da marcha sem perda de equilíbrio ou desvios. Mostra diferença significativa na marcha entre as velocidades normal, rápido e devagar.
(2) Comprometimento leve: É capaz de mudar de velocidade mas apresenta discretos desvios da marcha, ou não tem desvios mas não consegue mudar significativamente a velocidade da marcha, ou utiliza um dispositivo de auxílio à marcha.
(1) Comprometimento moderado: Só realiza pequenos ajustes na velocidade da marcha, ou consegue mudar a velocidade com importantes desvios na marcha, ou muda de velocidade e perde o equilíbrio, mas consegue recuperá-lo e continuar andando.
(0) Comprometimento grave: Não consegue mudar de velocidade, ou perde o equilíbrio e procura apoio na parede, ou necessita ser amparado

3. Marcha com movimentos horizontais (rotação) da cabeça

Instruções: Comece andando no seu passo normal. Quando eu disser “olhe para a direita”, vire a cabeça para o lado direito e continue andando para frente até que eu diga “olhe para a esquerda”, então vire a cabeça para o lado esquerdo e continue andando. Quando eu disser “olhe para frente”, continue andando e volte a olhar para frente.

Classificação: Marque a menor categoria que se aplica.

(3) Normal: Realiza as rotações da cabeça suavemente, sem alteração da marcha.
(2) Comprometimento leve: Realiza as rotações da cabeça suavemente, com leve alteração da velocidade da marcha, ou seja, com mínima alteração da progressão da marcha, ou utiliza dispositivo de auxílio à marcha.
(1) Comprometimento moderado: Realiza as rotações da cabeça com moderada alteração da velocidade da marcha, diminui a velocidade, ou cambaleia mas se recupera e consegue continuar a andar.
(0) Comprometimento grave: Realiza a tarefa com grave distúrbio da marcha, ou seja, cambaleando para fora do trajeto (cerca de 38cm), perde o equilíbrio, pára, procura apoio na parede, ou precisa ser amparado.

4. Marcha com movimentos verticais (rotação) da cabeça

Instruções: Comece andando no seu passo normal. Quando eu disser “olhe para cima”, levante a cabeça e olhe para cima. Continue andando para frente até que eu diga “olhe para baixo” então incline a cabeça para baixo e continue andando. Quando eu disser “olhe para frente”, continue andando e volte a olhar para frente.

Classificação: Marque a menor categoria que se aplica

(3) Normal: Realiza as rotações da cabeça sem alteração da marcha.
(2) Comprometimento leve: Realiza a tarefa com leve alteração da velocidade da marcha, ou seja, com mínima alteração da progressão da marcha, ou utiliza dispositivo de auxílio à marcha.
(1) Comprometimento moderado: Realiza a tarefa com moderada alteração da velocidade da marcha, diminui a velocidade, ou cambaleia mas se recupera e consegue continuar a andar.
(0) Comprometimento grave: Realiza a tarefa com grave distúrbio da marcha, ou seja, cambaleando para fora do trajeto (cerca de 38cm), perde o equilíbrio, pára, procura apoio na parede, ou precisa ser amparado.

5. Marcha e giro sobre o próprio eixo corporal (pivô)

Instruções: Comece andando no seu passo normal. Quando eu disser “vire-se e pare”, vire-se o mais rápido que puder para a direção oposta e permaneça parado de frente para (este ponto) seu ponto de partida”.

Classificação: Marque a menor categoria que se aplica

(3) Normal: Gira o corpo com segurança em até 3 segundos e pára rapidamente sem perder o equilíbrio.
(2) Comprometimento leve: Gira o corpo com segurança em um tempo maior que 3 segundos e pára sem perder o equilíbrio.
(1) Comprometimento moderado: Gira lentamente, precisa dar vários passos pequenos até recuperar o equilíbrio após girar o corpo e parar, ou precisa de dicas verbais.
(0) Comprometimento grave: Não consegue girar o corpo com segurança, perde o equilíbrio, precisa de ajuda para virar-se e parar.

6. Passar por cima de obstáculo

Instruções: Comece andando em sua velocidade normal. Quando chegar à caixa de sapatos, passe por cima dela, não a contorne, e continue andando.

Classificação: Marque a menor pontuação que se aplica

(3) Normal: É capaz de passar por cima da caixa sem alterar a velocidade da marcha, não há evidência de desequilíbrio.
(2) Comprometimento leve: É capaz de passar por cima da caixa, mas precisa diminuir a velocidade da marcha e ajustar os passos para conseguir ultrapassar a caixa com segurança.
(1) Comprometimento moderado: É capaz de passar por cima da caixa, mas precisa parar e depois transpor o obstáculo. Pode precisar de dicas verbais.

(0) Comprometimento grave: Não consegue realizar a tarefa sem ajuda.

7. Andar ao redor de obstáculos

Instruções: Comece a andar na sua velocidade normal. Quando chegar ao primeiro cone (cerca de 1.80 m de distância), contorne-o pelo lado direito. Quando chegar ao segundo (1.80 m após o primeiro), contorne-o pela esquerda.

Classificação: marque a categoria inferior que se aplica

(3) Normal: É capaz de andar ao redor dos cones com segurança, sem mudar a velocidade da marcha; não há evidência de desequilíbrio.
(2) Comprometimento mínimo: São capazes de andar ao redor de ambos os cones, mas precisa reduzir a velocidade da marcha e ajustar os passos para passar por eles.
(1) Comprometimento moderado: É capaz de passar pelos cones, mas precisa reduzir significativamente a velocidade da marcha para realizar a tarefa.
(0) Comprometimento severo: Incapaz de passar pelos cones, tropeça neles e precisa de ajuda física.

8. Degraus

Instruções: Suba estes degraus da maneira que você faz em casa (isto é, usando o corrimão se necessário). Quando chegar ao topo, vire e desça novamente.

Classificação: marque a categoria inferior que se aplica

(3) Normal: Alternando os pés, sem usar o corrimão.
(2) Comprometimento mínimo: Alternando os pés, mas precisa usar o corrimão.
(1) Comprometimento moderado: Coloca os 2 pés no degrau, precisa usar o corrimão.
(0) Comprometimento severo: Não consegue fazer de forma segura.

Escore Total (Máximo = 24)

Distúrbios da linguagem em pacientes neurológicos

Afasias

São considerados afasias, todos os distúrbios de linguagem resultantes de uma lesão central.
A dominância do hemisfério esquerdo para a fala e linguagem se aplica para mais de 95% da população mundial.
Os locais mais prováveis para o distúrbio de fala e linguagem são as regiões que margeiam a Fissura de Sylvius.

Nomenclaturas/ sinais/ sintomas:

- Alexia: incapacidade para leitura.

- Paralexia: Perturbação da leitura caracterizada pela troca de letras ou de palavras de um texto.

- Anomia: incapacidade para a nomeação.

- Logorréia/ verborréia/ verborragia: Produção verbal anormal intensa e acelerada, frequentemente associada à fuga de idéias e distraibilidade. Discurso acelerado.

- Oligolalia/ laconismo: expressão verbal diminuída, mas não abolida.

- Mutismo: ausência da fala.

- Ecolalia: é a repetição, como um eco, das últimas palavras que chegam ao ouvido do paciente (ocorre em demências).

- Palilalia: repetição da(s) última(s) palavra(s) que o paciente falou (ocorre em demências).

- Logoclonia:. repetição da(s) última(s) sílaba que o paciente falou (ocorre em demências).

- Estereotipia verbal: repetição monótona, inadequada e sem sentido comunicativo de palavras ou frases (ocorre em demências).

- Aprosódia: perda ou diminuição da modulação afetiva da fala, que torna-se monótona.

- Verbigeração: É a repetição incessante durante dias, semanas e até meses, de palavras e frases pronunciadas em tom de voz monótono, declamatório ou patético (acontece em demências).

- Neologismos: são palavras criadas ou palavras já existentes empregadas com significado desfigurado.

- Circunlóquio é uma figura de estilo que consiste em um discurso pouco direto, onde o escritor foge do ponto principal pelo abuso de expressões, que estende demasiadamente algo que pode ser dito em poucas palavras. Ex: “Manter um alto grau de atividade” em vez de “trabalhar bastante”, “Grupos de idêntica natureza” em vez de “grupos iguais”, etc.

- Parafasia: Distúrbio de linguagem, que consiste na troca e na deformação de palavras. As parafasias verbais consistem na utilização de uma palavra por outra. A palavra proferida apresenta, algumas vezes, uma relação de ordem conceitual com a palavra substituída (garfo por colher, lápis por borracha – parafasia semântica) ou de ordem fonética (pêra por cera, marco por barco), porém sua utilização frequentemente parece ocorrer ao acaso. As parafasias literais correspondem a uma deslocação da estrutura fonêmica das palavras, com elisão (supressão de sons/letras), inversão de sílabas, substituições, uso de palavras deformadas, porém ainda identificáveis (reutamismo por reumatismo, biciteta por bicicleta) ou de neologismos totalmente sem significado (para um lápis, logamentase, tipão, pinhão de caça).

- Agramatismo: há redução da linguagem, com a utilização prevalente de substantivos, juntamente com o emprego sistemático de verbos no infinitivo e a supressão de pequenos instrumentos de linguagem (artigos, preposições...) determinam uma forma de expressão semelhante a uma linguagem primitiva (mim Tarzã, you Jane) ou de um estilo telegráfico, com uma linguagem econômica, reduzida, concreta, pobre, sem flexibilidade e sem possibilidade de abstração.

- Jargonofasia: fala em que a sintaxe parece normal, mas o seu conteúdo não faz sentido. Disfasia com palavras fluentes, porém totalmente ininteligíveis. Jargões. Completa desorganização da linguagem, com sintaxe incoerente. Palavras reconhecíveis, geralmente articuladas corretamente, são emitidas de forma caótica e ilógica.

Escala de equilíbrio de Berg (Berg Balance Scale)

Os pacientes devem entender que eles precisam manter o equilíbrio enquanto realizam as tarefas. As escolhas sobre qual perna ficar em pé ou qual distância alcançar ficarão a critério do paciente. Um julgamento pobre irá influenciar adversamente o desempenho e o escore do paciente.
Os equipamentos necessários para realizar os testes são um cronômetro ou um relógio com ponteiro de segundos e uma régua ou outro indicador de: 5, 12,5 e 25 cm. As cadeiras utilizadas para o teste devem ter uma altura adequada. Um banquinho ou uma escada (com degraus de altura padrão) podem ser usados para o item 12.

1. Posição sentada para posição em pé
Instruções: Por favor, levante-se. Tente não usar suas mãos para se apoiar.

4 capaz de levantar-se sem utilizar as mãos e estabilizar-se independentemente
3 capaz de levantar-se independentemente utilizando as mãos
2 capaz de levantar-se utilizando as mãos após diversas tentativas
1 necessita de ajuda mínima para levantar-se ou estabilizar-se
0 necessita de ajuda moderada ou máxima para levantar-se

2. Permanecer em pé sem apoio
Instruções: Por favor, fique em pé por 2 minutos sem se apoiar.

4 capaz de permanecer em pé com segurança por 2 minutos
3 capaz de permanecer em pé por 2 minutos com supervisão
2 capaz de permanecer em pé por 30 segundos sem apoio
1 necessita de várias tentativas para permanecer em pé por 30 segundos sem apoio
0 incapaz de permanecer em pé por 30 segundos sem apoio
Se o paciente for capaz de permanecer em pé por 2 minutos sem apoio, dê o número total de pontos para o item nº 3. Continue com o item nº 4.

3. Permanecer sentado sem apoio nas costas, mas com os pés apoiados no chão ou num banquinho
Instruções: Por favor, fique sentado sem apoiar as costas com os braços cruzados por 2 minutos.

4 capaz de permanecer sentado com segurança e com firmeza por 2 minutos
3 capaz de permanecer sentado por 2 minutos sob supervisão
2 capaz de permanecer sentado por 30 segundos
1 capaz de permanecer sentado por 10 segundos
0 incapaz de permanecer sentado sem apoio durante 10 segundos

4. Posição em pé para posição sentada
Instruções: Por favor, sente-se.

4 senta-se com segurança com uso mínimo das mãos
3 controla a descida utilizando as mãos
2 utiliza a parte posterior das pernas contra a cadeira para controlar a descida
1 senta-se independentemente, mas tem descida sem controle
0 necessita de ajuda para sentar-se

5. Transferências
Instruções: Arrume as cadeiras perpendicularmente ou uma de frente para a outra para uma transferência em pivô. Peça ao paciente para transferir-se de uma cadeira com apoio de braço para uma cadeira sem apoio de braço, e vice-versa. Você poderá utilizar duas cadeiras (uma com e outra sem apoio de braço) ou uma cama e uma cadeira.

4 capaz de transferir-se com segurança com uso mínimo das mãos
3 capaz de transferir-se com segurança com o uso das mãos
2 capaz de transferir-se seguindo orientações verbais e/ou supervisão
1 necessita de uma pessoa para ajudar
0 necessita de duas pessoas para ajudar ou supervisionar para realizar a tarefa com segurança

6. Permanecer em pé sem apoio com os olhos fechados
Instruções: Por favor, fique em pé e feche os olhos por 10 segundos.

4 capaz de permanecer em pé por 10 segundos com segurança
3 capaz de permanecer em pé por 10 segundos com supervisão
2 capaz de permanecer em pé por 3 segundos
1 incapaz de permanecer com os olhos fechados durante 3 segundos, mas mantém-se em pé
0 necessita de ajuda para não cair

7. Permanecer em pé sem apoio com os pés juntos
Instruções: Junte seus pés e fique em pé sem se apoiar.

4 capaz de posicionar os pés juntos independentemente e permanecer por 1 minuto com segurança
3 capaz de posicionar os pés juntos independentemente e permanecer por 1 minuto com supervisão
2 capaz de posicionar os pés juntos independentemente e permanecer por 30 segundos
1 necessita de ajuda para posicionar-se, mas é capaz de permanecer com os pés juntos durante 15 segundos
0 necessita de ajuda para posicionar-se e é incapaz de permanecer nessa posição por 15 segundos

8. Alcançar a frente com o braço estendido permanecendo em pé
Instruções: Levante o braço a 90º. Estique os dedos e tente alcançar a frente o mais longe possível. (O examinador posiciona a régua no fim da ponta dos dedos quando o braço estiver a 90º. Ao serem esticados para frente, os dedos não devem tocar a régua. A medida a ser registrada é a distância que os dedos conseguem alcançar quando o paciente se inclina para frente o máximo que ele consegue. Quando possível, peça ao paciente para usar ambos os braços para evitar rotação do tronco).

4 pode avançar à frente mais que 25 cm com segurança
3 pode avançar à frente mais que 12,5 cm com segurança
2 pode avançar à frente mais que 5 cm com segurança
1 pode avançar à frente, mas necessita de supervisão
0 perde o equilíbrio na tentativa, ou necessita de apoio externo

9. Pegar um objeto do chão a partir de uma posição em pé
Instruções: Pegue o sapato/chinelo que está na frente dos seus pés.

4 capaz de pegar o chinelo com facilidade e segurança
3 capaz de pegar o chinelo, mas necessita de supervisão
2 incapaz de pegá-lo, mas se estica até ficar a 2-5 cm do chinelo e mantém o equilíbrio independentemente
1 incapaz de pegá-lo, necessitando de supervisão enquanto está tentando
0 incapaz de tentar, ou necessita de ajuda para não perder o equilíbrio ou cair

10. Virar-se e olhar para trás por cima dos ombros direito e esquerdo enquanto permanece em pé
Instruções: Vire-se para olhar diretamente atrás de você por cima do seu ombro esquerdo sem tirar os
pés do chão. Faça o mesmo por cima do ombro direito. (O examinador poderá pegar um objeto e posicioná-lo diretamente atrás do paciente para estimular o movimento)

4 olha para trás de ambos os lados com uma boa distribuição do peso
3 olha para trás somente de um lado, o lado contrário demonstra menor distribuição do peso
2 vira somente para os lados, mas mantém o equilíbrio
1 necessita de supervisão para virar
0 necessita de ajuda para não perder o equilíbrio ou cair

11. Girar 360 graus
Instruções: Gire-se completamente ao redor de si mesmo. Pausa. Gire-se completamente ao redor de si mesmo em sentido contrário.

4 capaz de girar 360 graus com segurança em 4 segundos ou menos
3 capaz de girar 360 graus com segurança somente para um lado em 4 segundos ou menos
2 capaz de girar 360 graus com segurança, mas lentamente
1 necessita de supervisão próxima ou orientações verbais
0 necessita de ajuda enquanto gira

12. Posicionar os pés alternadamente no degrau ou banquinho enquanto permanece em pé sem apoio
Instruções: Toque cada pé alternadamente no degrau/banquinho. Continue até que cada pé tenha tocado o degrau/banquinho quatro vezes.

4 capaz de permanecer em pé independentemente e com segurança, completando 8 movimentos em 20 segundos
3 capaz de permanecer em pé independentemente e completar 8 movimentos em mais que 20 segundos
2 capaz de completar 4 movimentos sem ajuda
1 capaz de completar mais que 2 movimentos com o mínimo de ajuda
0 incapaz de tentar, ou necessita de ajuda para não cair

13. Permanecer em pé sem apoio com um pé à frente
Instruções: (demonstre para o paciente) Coloque um pé diretamente à frente do outro na mesma linha; se você achar que não irá conseguir, coloque o pé um pouco mais à frente do outro pé e levemente para o lado.

4 capaz de colocar um pé imediatamente à frente do outro, independentemente, e permanecer por 30 segundos
3 capaz de colocar um pé um pouco mais à frente do outro e levemente para o lado, independentemente, e permanecer por 30 segundos
2 capaz de dar um pequeno passo, independentemente, e permanecer por 30 segundos 
1 necessita de ajuda para dar o passo, porém permanece por 15 segundos
0 perde o equilíbrio ao tentar dar um passo ou ficar de pé

14. Permanecer em pé sobre uma perna
Instruções: Fique em pé sobre uma perna o máximo que você puder sem se segurar.

4 capaz de levantar uma perna independentemente e permanecer por mais que 10 segundos
3 capaz de levantar uma perna independentemente e permanecer por 5-10 segundos
2 capaz de levantar uma perna independentemente e permanecer por mais que 3 segundos
1 tenta levantar uma perna, mas é incapaz de permanecer por 3 segundos, embora permaneça em pé independentemente
0 incapaz de tentar, ou necessita de ajuda para não cair

Escore total (Máximo = 56)
A pontuação total é de 56 e índice igual ou menor a 36 em idosos está associado a 100% de risco de quedas.

Índice de Possibilidade de Quedas

PQ = 100% x exp (10,46 – 0,25 x BBS escore + 2,32 x história de instabilidade do equilíbrio)
[1 + exp (10,46 – 0,25 x BBS escore + 2,32 x história de instabilidade do equilíbrio)]



Referências:
- BERG, K.O. et al. Clinical and laboratory measures of postural balance in an elderly population. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v.73, p.1073-1080, 1992a.
- BERG, K.O., WOOD-DAUPHINEE, S.L., WILLIAMS, J.I., GAYTON, D. Measuring balance in the elderly: preliminary development of an instrument. Physiotherapy Canada, v.41, p.304-311, 1989.
- BERG, K.O., WOOD-DAUPHINEE, S.L., WILLIAMS, J.I., GAYTON, D. Measuring balance in the elderly: validation of an instrument. Canadian Journal of Public Health, v.83, suppl 2, S7-S11, 1992b.
- BERG, K.O., WOOD-DAUPHINEE, S.L., WILLIAMS, J.I. The balance scale: reability assessment with elderly residents and patients with acute stroke. Scandinavian Journal of Rehabilitation Medicine, v. 27, p.27-36, 1995.
- MIYAMOTO, S.T.; LOMBARDI JUNIOR, I.; BERG, K.O.; RAMOS, L.R.; NATOUR, J.
Brazilian version of the Berg balance scale. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 37, n. 9, p. 1411-1421, 2004.



Postagens populares

Como fazer download no 4shared

Termos de uso

Ano IV - © Tânia Marchezin - Fisioterapeuta - Franca/SP

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger .

TOPO